PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Categorias

Será que o brasileiro transa mais no Carnaval?

Universa

23/02/2020 04h00

abstract-art-beautiful-bright-268481

A época mais gostosa do ano chegou e, como dizia Simone: então é Carnaval, e o que você fez? Opa, peraí, feriado santo errado!
E a pergunta não é "e o que você fez", mas: O que você fará no carnaval desse ano?

Sexo está entre as suas atividades carnavalescas obrigatórias ou você é da turma que vai atrás do bloco, pro baile, à praia só pra curtir e dançar? Eu, ultimamente, ando comparecendo apenas ao Unidos do Netflix, mas adoro acompanhar a folia através dos instagrams alheios 🙂

Veja também

Pra entender se essa onda de carnaval não transante é só minha ou uma grande tendência, fiz uma pesquisa com 4.344 pessoas (com idades entre 25 e 44 anos) pra entender: o brasileiro transa mais no Carnaval?

Primeiro eu perguntei: A quantidade de pessoas que você paquera/sai/dá uns beijinhos aumenta durante o carnaval?

56% respondeu que sim!
44% respondeu que não 🙁

Você costuma transar mais vezes no Carnaval do que em dias comuns?

47% respondeu que transa igual, nem mais nem menos
22% transa duas vezes mais no carnaval!
15% transa três vezes mais (uau!)
16% transa quatro a mais vezes (impressionante!)

Quais fantasias e fetiches já realizou no Carnaval?
Sexo em público e menage foram as mais cotadas!

Apesar dessa putaria toda (no bom sentido, claro), 70% das pessoas entrevistadas acredita que é possível embarcar sim num "Amor de Carnaval", afinal de contas um romance é sempre gostoso também né?

26% já viveu algum relacionamento sério que começou num bloquinho e 29% declarou estar abertos a iniciar um relacionamento dessa forma esse ano mesmo 🙂

Então, lá vai um resumão:

Se você quer um carnaval transante ou um carnaval de amor, se joga que tem pra todos os gostos! Pra quem não quer nada disso, tá tendo também 🙂 Só não vale esquecer de se hidratar e de usar preservativo, combinado?

Sobre a autora

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está – não estamos – só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Sobre o blog

Dados e pesquisas sobre sexo e o comportamento dos brasileiros entre quatro paredes. Muita informação, tendências, dados – e experiências próprias! - sobre o assunto. Um espaço para desafiar tabus e moralismos em torno do sexo.

Mayumi Sato