Topo
Mayumi Sato

Mayumi Sato

Categorias

Histórico

Será que você está pronto para experimentar o swing, a troca de casais?

Mayumi Sato

16/02/2019 05h00

Swing é uma palavrinha que ainda assusta muita gente e gera muitas dúvidas. Afinal, você está pronta para o swing? Deveria experimentar? Ou é só uma curiosidade passageira?

O swing, popularmente conhecido como troca de casais, é uma prática que pode apimentar a vida de um casal que quer sair da rotina e descobrir novas formas de prazer. Antes de se aventurar em territórios de suruba, entretanto, é preciso prestar atenção em alguns pontos, afinal pode não ser uma prática que funcione para você.

Converse sobe limites e expectativas

O principal é a comunicação com seu parceiro/parceira sobre o que vão fazer, quais os limites, desejos e expectativas. É possível que role ciúmes, óbvio, mas o swing precisa ser feito com o consentimento dos dois lados para não gerar conflito. Quanto mais diálogo, melhor.

Encontrar ou conversar com casais que já praticam o swing pode ajudar numa primeira vez, afinal para algumas pessoas é um estilo de vida. Conhecer a experiência de quem já viveu diversas situações vai ajudar a prever possíveis tretas.

Swing não salva relacionamento!

Desistir faz parte do processo! Não sofra se na hora H você ou seu parceiro/parceira desistir da coisa toda. Lembre-se: ninguém é obrigado a nada.

Conhecer uma casa de swing, onde as pessoas estão lá justamente para isso, pode facilitar o processo. Se for muita informação para uma primeira experiência, trocar ideia com outros casais online, através de redes sociais de sexo, por exemplo, pode quebrar o gelo e o preconceito sem que você precise se expor tanto.

ALERTA: se estiver buscando o swing para salvar o seu relacionamento, pare. Se o diálogo entre o casal não estiver bom, a troca de casais não será boa.

Compreenda seu corpo e seu prazer

O swing é uma ótima escolha se você quer apimentar a relação, sempre com consentimento, e pode representar uma evolução na intimidade e na maneira como cada um compreende o próprio corpo e prazer. Afinal, é bastante prazeroso compartilhar momentos de prazer com a pessoa que você ama.

Mas, lembre-se: não é porque funciona para outros casais que vai funcionar para você. Entenda os seus limites e, principalmente, converse com seu parceiro/parceira para chegar no melhor cenário.  

E você, já pensou em experimentar o swing? Já experimentou? Comenta aqui embaixo.

Se você quiser saber mais sobre swing, no vídeo abaixo compartilho algumas experiências pessoais que podem te ajudar na decisão de partir pra putaria ou não.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está – não estamos – só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Sobre o blog

Dados e pesquisas sobre sexo e o comportamento dos brasileiros entre quatro paredes. Muita informação, tendências, dados – e experiências próprias! - sobre o assunto. Um espaço para desafiar tabus e moralismos em torno do sexo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mayumi Sato