menu
Topo
Mayumi Sato

Mayumi Sato

Categorias

Histórico

Por que os divórcios só aumentam e os casamentos diminuem?

Universa

04/05/2018 04h01

(Imagem: Getty Images)

O número de casamentos no Brasil caiu 3,7% e os divórcios cresceram 4,7%. Não, não é coisa da minha cabeça: são dados de uma pesquisa recente do IBGE.

Na cidade de São Paulo, os números também são interessantes. Os casamentos registrados caíram 4,22% enquanto os divórcios encerrados em 1ª instância cresceram 11,13%.

Veja também

Mas por que isso está acontecendo?

Primeiramente, é preciso ter calma na hora de olhar esses dados. Pois é fácil cair na armadilha de criticar as gerações mais novas deduzindo que as pessoas estão mais solitárias ou egoístas.

Também não significa que estamos engatando menos relacionamentos, todos de saco cheio.

Vivemos em tempos líquidos, um conceito do filósofo Bauman que na prática diz que estamos assumindo menos compromissos de longo prazo (como casamentos) e desistindo antes de relações que nossos pais levavam mais tempo para desistir.

Isso se reflete na pesquisa do IBGE, que mostra apenas o número de registros em cartórios e órgãos oficiais, o jeitão tradicional de oficializar um relacionamento, sabe?

Mas os tempos mudaram e cada vez mais pessoas têm escolhido relações que não estão necessariamente associadas à monogamia e ao casamento tradicional. Estamos vivendo em mais relações que não se enquadram nas caixinhas que, até então, usávamos para definir o que era "relacionamento sério" e duradouro.

Estamos mais livres para experimentar e amar, sem necessariamente passar pelo famoso registro em cartório.

São tempos com mais liberdade e mais escolhas, consequentemente mais complexas de mapear. Os divórcios podem estar crescendo, mas as pessoas provavelmente não estão se apaixonando menos. É um sinal de que estamos encontrando novos caminhos, afinal, tempos líquidos, né?

Sobre a autora

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está – não estamos – só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Sobre o blog

Dados e pesquisas sobre sexo e o comportamento dos brasileiros entre quatro paredes. Muita informação, tendências, dados – e experiências próprias! - sobre o assunto. Um espaço para desafiar tabus e moralismos em torno do sexo.