Mayumi Sato

Categorias

Histórico

Por que metade das brasileiras não consegue gozar?

Universa

21/05/2018 05h00

iStock

Gozar é uma das sensações físicas mais gostosas da vida, mas nem todo mundo consegue chegar “lá”. Uma pesquisa do Projeto de Sexualidade da USP (Prosex), com mulheres entre 18 e 70 anos, mostra que metade das brasileiras não consegue atingir o orgasmo nas relações sexuais.

Elas dizem que a principal causa é a dificuldade para se excitar. Mas por que isso acontece?

Ao longo dos anos, conversando com mulheres de todas as idades da rede Sexlog, cheguei a dois pontos-chaves para explicar essa questão:

A falta de autoconhecimento

Só sabemos o que nos dá tesão quando conhecemos nosso corpo. Para mulheres, a falta de intimidade com o próprio corpo é algo imposto desde as primeiras etapas da vida. Enquanto meninos, desde adolescentes, conversam sobre sexo e são estimulados a viver experiências sexuais, meninas são ensinadas que a sexualidade é um tabu. Poucas tem algum tipo de orientação nesse sentido, além da boa e velha: “menina, tira a mão daí”.

Como consequência, muitas de nós passam boa parte da vida sem se tocar e sem entender suas zonas erógenas. Por isso, não importa a sua idade. Se toque, se descubra, não há nada de errado em descobrir o que te dá prazer!

Veja também

Talvez o seu parceiro/relacionamento não esteja colaborando

Desde cedo somos educadas a agradar, colocar o nosso prazer em segundo plano e a nos perguntar: onde eu estou falhando e poderia melhorar? Mas, é preciso aceitar que muitas vezes a responsabilidade não é nossa.

A pesquisa da USP também mostra que 59% das mulheres têm algum tipo de dor durante a relação. A dor pode acontecer quando a posição sexual/ritmo/jeitinho não é tão legal assim ou quando não estamos lubrificadas o suficiente.

É comum culpar a menopausa, medicamentos ou o stress por isso, mas é mais comum ainda que a falta de lubrificação seja falta de tesão pelo seu parceiro. Simples assim. Se ele não se esforça pra te satisfazer, não te excita, não é um companheiro que desperta o seu tesão no dia a dia, não vai ser durante o sexo que isso vai mudar.

Não deixe a culpa e a responsabilidade te consumirem

Então, querida leitora, aqui vai um conselho não solicitado: não deixe a culpa e a responsabilidade te consumirem. Olhe para a sua relação de uma forma crítica. Se você tem sonhos eróticos, desejos e fantasias que te fazem ficar molhada e excitada, o problema não é com o seu corpo. Está tudo funcionando direitinho, mas você não está sendo estimulada como deveria (e isso pode ser físico, mas pode ser psicológico também).

Falar abertamente sobre essas questões com o seu companheiro, pode ser um passo para que, juntos, vocês descubram como resolver essas questões. Gozar é um processo único para cada uma e numa relação depende de, pelo menos, duas pessoas.

Chegar junto e dizer o que você realmente sente é uma forma de criar uma relação mais gostosa e íntima. Quem sabe é até um novo caminho para descobrir novas experiências sexuais em conjunto.

Prestar mais atenção aos sinais do nosso corpo e desapegar de alguns preconceitos e preocupações não faz mal a ninguém. Se organizar direitinho, todo mundo relaxa e goza.

Sobre a autora

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está – não estamos – só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Sobre o blog

Dados e pesquisas sobre sexo e o comportamento dos brasileiros entre quatro paredes. Muita informação, tendências, dados – e experiências próprias! - sobre o assunto. Um espaço para desafiar tabus e moralismos em torno do sexo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

O UOL está testando novas regras para os comentários. O objetivo é estimular um debate saudável e de alto nível, estritamente relacionado ao conteúdo da página. Só serão aprovadas as mensagens que atenderem a este objetivo. Ao comentar você concorda com os termos de uso. O autor da mensagem, e não o UOL, é o responsável pelo comentário. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Mayumi Sato
Topo