Topo
Mayumi Sato

Mayumi Sato

Categorias

Histórico

A experiência joga a favor: pessoas com mais de 50 estão transando mais

Universa

14/09/2019 04h00

Photo by Anastasia Vityukova on Unsplash

Sabe aquela ideia de que amadurecer e passar dos 50 significa também transar menos? É coisa do passado. Chega de achar que amadurecer é sinônimo de uma vida menos ativa ou prazerosa.

Uma pesquisa feita pelo Lumen, um app de encontros para pessoas com mais de 50 anos, mostrou que a maioria das pessoas nessa idade está transando mais e melhor. O motivo apontado por 62% dos entrevistados para este novo cenário é que se sentem mais ousados/ousadas e com menos inibições e neuras na cama. 

Veja também

Ou seja, a experiência joga a favor! 

Outro motivo é o tempo livre para experimentar mais, assim como uma libido maior (identificada em 10% dos entrevistados). Mais de 50% também declaram que só vão parar de transar quando estiverem fisicamente impossibilitados.

Apesar dos números positivos, apenas 4% declaram usar camisinha e mais de 80% nunca fizeram um exame de doenças sexualmente transmissíveis. 

No Brasil, o número de pessoas da terceira idade diagnosticadas com HIV cresceu 103% nos últimos dez anos. Este crescimento acontece não por conta de uma vida sexual mais ativa, mas por falta de conhecimento e comunicação a respeito dos riscos do sexo desprotegido. Faltam iniciativas focadas nessa faixa etária, ainda vista pela sociedade como um grupo que simplesmente não transa.

É excelente que estejamos, como sociedade, construindo um contexto para que o sexo seja visto como algo saudável e necessário por mais tempo na vida das pessoas. Entretanto, também é importante lembrar que sexo precisa ser feito com responsabilidade e proteção. 

E você, tem quantos anos? Acha que a sua libido tem aumentado ou diminuído com a idade?

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Mayumi Sato é meio de exatas, meio de humanas. Pesquisadora e diretora de marketing do Sexlog quer ressignificar a relação das pessoas com o sexo e, para isso, acredita que é preciso colocar a mão na massa, o que inclui decodificar o comportamento humano. Ao longo dos anos, estudando e trabalhando com o mercado adulto, passou a fazer parte de uma rede de mulheres interessadas e ativistas no assunto, por isso sabe que não está – não estamos – só. Idealizadora do cínicas (www.cinicas.com.br) e feminista sex-positive.

Sobre o blog

Dados e pesquisas sobre sexo e o comportamento dos brasileiros entre quatro paredes. Muita informação, tendências, dados – e experiências próprias! - sobre o assunto. Um espaço para desafiar tabus e moralismos em torno do sexo.